Festa do nelore premia trabalho paranaense

Evento que faz parte da Nelore Fest, o 8º Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças teve aumento de participação em 2010

Um dos mais aguardados acontecimentos do agronegócio brasileiro, a Nelore Fest realizou ontem à noite (quinta, 16/12), em São Paulo, a sua 11ª edição. Promovido anualmente pela Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), o evento reuniu os mais importantes nomes da cadeia produtiva da raça no país.
Um dos destaques desse ano foi a 8ª edição do Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças, competição que é apontada como uma ferramenta importante para o produtor na avaliação de sua eficiência de atendimento dos padrões demandados pelo mercado e de auxílio para a busca de melhor rentabilidade.
Esse ano, o circuito contou com a participação de 6.391 animais de 121 pecuaristas. Foram doze etapas, que passaram por sete estados brasileiros.
Ao todo foram onze propriedades vencedoras. Na categoria Melhor Lote de Carcaças, o campeão foi José Roberto Hofig Ramos, da marca HoRa, pecuarista paranaense e atual presidente da Sociedade Rural da Região de Cornélio Procópio (SRRCP).
“É um prêmio importante porque o resultado da competição valoriza a principal função da pecuária, que é a produção de carne. Além disso, o circuito mostra que o melhoramento genético a cada ano ganha mais credibilidade, força e respeito”, comemorou Hofig Ramos.
Segundo o presidente da ACBN, Felipe Picciani, houve um crescimento de participação no circuito em 2010. Algumas etapas registraram um aumento de 150% no número de animais em relação ao ano passado. Na etapa de Paranatinga (MT), por exemplo, foram 749 animais – frente a 298 em 2009.
“Crescer em quantidade é uma grande conquista, mas a qualidade está acima de qualquer critério e a cada etapa os competidores se mostram mais satisfeitos com o nível dos animais apresentados”, comentou Picciani.
Ainda segundo a ACBN, a avaliação dos animais participantes do circuito tem sido utilizada como ferramenta pedagógica e indicativa das condições do rebanho nacional e das peculiaridades de cada região, visando dar subsídios para uma produção eficiente e rentável.
“Orientar os pecuaristas ao caminho certo, promover a busca pela qualidade da carne, tornar a produção mais efetiva, rápida e lucrativa. Esses são desafios que nos propomos a superar em cada etapa do Circuito Boi Verde”, completou o presidente da ACBN.