Paranaguá, balanço semanal positivo

Soja: Semana fecha com 25% da área colhida no BR e alta de mais de 2% dos preços no interior

No porto de Paranaguá, balanço semanal positivo também para a soja tanto disponível quanto da nova safra, com entrega para março, com valores de R$ 80,50 e R$ 79,50, respectivamente, subindo 1,90% e 1,27% Já no de Rio Grande, altas de 1,37% e 1,46%, para R$ 81,10 e R$ 83,20.

Segundo Flávio França Junior, os trabalhos avançaram bem na última semana e superaram, dessa forma, os índices do ano passado. "A colheita segue  mantendo ritmo mais rápido do que os 21% anotados em igual momento de 2015, e também sobre os 22% da média normal para cinco anos".

E é na conclusão desses trabalhos que os produtores brasileiros estão focados agora, deixnando, por mais uma semana, o ritmo das vendas bastante lento, com operações apenas pontuais e sem evolução. Assim, o restante da comercialização da safra 2015/16, segundo acreditam analistas, deve dar-se somente com a colheita mais evoluída e, principalmente, diante de um horizonte mais claro sobre a situação econômica do país.

Nesta semana, a agência de classificação de risco Standard & Poor's rebaixou, novamente, a nota de crédito do país e intensificou as preocupações com os desafios que o governo tem adiante e trouxe ainda mais especulação sobre o futuro do dólar frente ao real neste cenário. "A comercialização do restante da safra 2015/16 de soja do Brasil vai se dar sobre a taxa de câmbio", afirmou o diretor de inteligência do mercado de grãos da Cerealpar, Steve Cachia.

Nos últimos dias, a moeda norte-americana trabalhou com intensa volatilidade, porém, retomou o patamar dos R$ 4,00, sendo a principal responsável pela manutenção dos valores pagos pela soja brasileira ainda atrativos, bem como mantém ainda sua clara competitividade frente a seus maiores concorrentes, especialmente os EUA.