Produção bovina em discussão

A primeira edição do Fórum de Tecnogenética, realizado no dia 4 de setembro, durante a Expocop 2010, foi um grande sucesso. Cerca de 250 pessoas – a maioria estudantes - participaram do evento, que reuniu quatro dos maiores especialistas da pesquisa pecuária brasileira. O fórum foi aberto pelo presidente da Sociedade Rural da Região de Cornélio Procópiro (SRRCP), José Roberto Höfig Ramos, que lembrou que este foi “apenas o embrião” do que a entidade pretende realizar nos próximos anos.

Segundo Höfig Ramos, o objetivo da SRRCP é trazer a informação para mais perto do produtor e tornar a tecnologia disponível mais acessível. “Um dia só é pouco para demonstrar tudo o que está sendo desenvolvido no país e até no exterior. Por isso, nos próximos anos, este evento vai crescer em dias e conteúdo”, garantiu.

O Fórum começou com a palestra do professor-doutor José Bento Ferraz, da USP de Pirassununga, que fez um apanhado geral sobre os principais problemas da pecuária brasileira e falou sobre os avanços de programas de melhoramento genético no aumento da produtividade.

Na sequência, a professora doutora Eliane Costa falou sobre “Novos conceitos de comportamento de bovinos de corte e leite”. A palestra empolgou os participantes porque mostrou a nova visão da pecuária para melhores lucros: um manejo adequado, que prega melhores cuidados e tratamento mais tranquilo e gentil aos animais, sem maus tratos desnecessários. Ela apontou casos onde o treinamento adequado dos peões conseguiram reduzir em 30% das carcaças com lesões. “Hematoma em carcaça, o prejuízo é do produtor. O animal deve ser respeitado, não só pelo seu valor intrínseco com um ser vivo, mas também lucro”, lembrou.   

Na parte da tarde, foi a vez dos pesquisadores Marcos Yokoo e Fabiano Araújo apresentarem suas palestras. Yokoo falou sobre as novidades no melhoramento bovino utilizando a seleção genômica, as novas técnicas de determinar as características do animal desde o nascimento, o que pode poupar tempo no direcionamento da produção de carne.

Já  Araújo mostrou a importância da seleção do acabamento de carcaça por ultrassom e lembrou  que a necessidade de alimentos vai crescer 100% nos próximos 50 anos. “O maior desafio para o Brasil é que só poderemos aumentar em 1% a proporção de terra para produção agropecuária. Portanto, teremos que aumentar o rendimento na mesma quantidade de área disponível”, disse. 

Assessoria de Imprensa