Soja na Semana - Preços sobem no Brasil acompanhando Chicago

Os preços da soja apresentaram consistente valorização no mercado brasileiro ao longo da semana.

Os preços da soja apresentaram consistente valorização no mercado brasileiro ao longo da semana. Em consequência, a movimentação melhorou nas principais praças, mas ainda envolvendo pequenos volumes e praticamente restrita ao disponível. A combinação de alta em Chicago e de elevação do dólar comercial garantiu a alta nos referenciais domésticos. Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 58,50 no dia 9 de maio para R$ 60,50 no dia 16. Em Cascavel (PR), o preço avançou de R$ 55,50 para R$ 57,00. Em Rondonópolis (MT), a cotaçãopassou de R$ 50,50 para R$ 53,00. Em Dourados (MS), o preço saiu de R$ 51,50 para R$ 52,50, enquanto em Rio Verde (GO), a cotações subiu de R$ 53,00 para R$ 55,00. Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos da soja em grão com vencimento em julho apresentaram valorização de 1,35% no período, passando de US$ 14,08 para US$ 14,27 por bushel. O dólar comercial subiu 0,6%, fechando a quinta-feira (16) a R$ 2,028. No mercado internacional da soja, a falta de produto nos Estados Unidos tem provocado alta acentuada no mercado físico, com prêmios recordes sobre as cotações futuras. Os contratos com vencimentos mais próximos acompanham este movimento, que é intensificado pelo sentimento de que ainda há demanda pelo produto americano, mesmo com a entrada de soja do Brasil e da Argentina no mercado. Em relação aos contratos com vencimentos mais distantes, referentes a produto da nova safra, as incertezas em relação ao plantio, que segue atrasado nos principais estados americanos, ajudaram a sustentar os patamares. Inicialmente, o mercado trabalha com uma supersafra americana, mas há dúvidas quanto ao efeito deste atraso na produtividade e há, principalmente, o temos que de o período de aperto na oferta se estenda, caso a colheita também seja adiada.

USDA
O relatório de maio do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) trouxe as primeiras projeções para a safra 2013/14 de soja. Segundo o USDA, os sojicultores norte-americanos irão produzir 3,390 bilhões de bushels do grão (92,26 milhões de toneladas), ante os 3,015 bilhões de bushels (82,06 milhões de toneladas) projetados para 2012/13. A produtividade da safra 2013/14 está estimada em 44,5 bushels por acre, contra os 39,6 bushels por hectare previstos para 2012/13. O USDA aponta que os estoques finais de soja no país somarão 265 milhões de bushels em 2013/14, na comparação com os 125 milhões de bushels da safra precedente. A estimativa de esmagamento é de 1,695 bilhão de bushels para 2013/14, contra 1,635 bilhão de bushels em 2012/13. A projeção de exportação é de 1,450 bilhão de bushels para a temporada 2013/14, contra 1,35 bilhão de bushels em 2012/13. Analistas consultados por agências internacionais esperavam que o novo número para o carryover dos Estados Unidos de 2012/13 ficasse em 124 milhões de bushels, um pouco abaixo do número apresentado. Para 2013/14, o mercado apostava em número próximo a 240 milhões de bushels para os estoques finais, também abaixo da estimativa divulgada.
A produção mundial de soja 2013/14 está estimada em 285,50 milhões de toneladas, contra 268,11 milhões de toneladas em 2012/13. Os estoques mundiais finais de soja devem crescer de 62,46 milhões de toneladas em 2012/13 para 74,96 milhões de toneladas. O USDA estima uma produção brasileira de 85 milhões de toneladas em 2013/14 (contra 83,5 mi t em 2012/13) e argentina de 54,5 milhões de toneladas (ante 51,00 mi t em 2012/13). A safra americana tem estimativa de produção de 92,26 milhões de toneladas para 2013/14, ante 82,06 milhões de toneladas em 2012/13. A China tem produção estimada de 12,00 milhões de toneladas para 2013/14 e deverá importar 69 milhões de toneladas nessa temporada. Para os estoques mundiais de soja, a previsão do mercado era de um número de 62,3 milhões de toneladas para 2012/13. Para 2013/14, o sentimento inicial do mercado era de estoques crescendo para 70,5 milhões de toneladas.
 

Safras & Mercado